Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Poesia do Drible

"Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco mais de azul - eu era além. Para atingir, faltou-me um golpe d'asa... Se ao menos eu permanecesse aquém..." - excerto de "Quasi", de Mário de Sá Carneiro

"Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco mais de azul - eu era além. Para atingir, faltou-me um golpe d'asa... Se ao menos eu permanecesse aquém..." - excerto de "Quasi", de Mário de Sá Carneiro

A Poesia do Drible

09
Dez23

Tudo ao molho e fé em Deus

Faróis médios e de nevoeiro


Pedro Azevedo

O Álvaro Pacheco é um castiço, no seu estilo bonacheirão, com a protuberante barba branca e a icónica boina negra a condizerem com as cores do emblema que representa. (Apesar da boina, não caiu no futebol como um pára-quedista. Nada lhe foi oferecido, teve de trabalhar muito.) Dado o ar que aparenta, em época natalícia imaginamo-lo um Pai Natal vimaranense, pelo que não resistimos a simpatizar com ele. Se muitos intuiram que a boina lhe serviria para esconder a calvice, o treinador sempre assumiu que a usava como um sortilégio. Ou, por outra, a boina serviria para que não lhe descobrissem a careca, não num sentido literal mas sim em figurado, evitando assim que fossem revelados os seus segredos. Ora, um desses segredos são os seus dotes de mago, hoje evidenciados quando terminou o jogo a executar um hat-trick sobre Rúben Amorim. Só que em vez de um coelho, o Álvaro fez reaparecer e cair sobre nós a espada de D. Afonso Henriques que se julgava perdida por D. Sebastião em Alcácer-Quibir. A alusão a D. Sebastião não é inocente, porque foi num momento sebastiânico que João Pinheiro, um árbitro com olhos equipados com faróis de nevoeiro, descortinou um penálti que qualquer ortopedista garantiria ser uma impossibilidade biomecânica: Adán, de gatas, escorrega até onde a relva molhada lhe permite e depois pára. A partir desse momento não lhe é mais possível locomover o seu joelho esquerdo (o tal que Pinheiro "viu" provocar o penálti) sem o levantar, o que fica claro nas imagens não ter acontecido. Adicionalmente, o seu joelho direito está à frente do esquerdo e não tocou no jogador vimaranense, pelo que a ter havido embate ele teria sempre de ser provocado pelo futebolista do Guimarães. Finalmente, sendo certo que a bola é cabeceada anteriormente por um vimaranense, subsistem muitas dúvidas se Mangas não seriam compridas demais, isto é, se o jogador do Vitória não estaria em fora de jogo. A verdade é que Pinheiro e o VAR Hugo Miguel não tiveram dúvidas, e em cima do gongo para o intervalo o Guimarães empatou o jogo. [Os árbitros com olhos equipados de faróis de nevoeiro são um problema para nós desde o inferno de (Alder) Dante vivido nas Antas, quando um apanha-bolas, a coberto da bruma, introduziu a bola na nossa baliza e o árbitro validou o golo.]

 

Antes, o Sporting havia-se adiantado no marcador, quando Morita recuperou as ancestrais técnicas dos samurais (Budô e Bujutsu) e com um moderno golpe de karaté isolou Gonçalo Inácio para o primeiro golo do jogo. Só que foi tudo sempre sofrido, muito devido à inferioridade numérica a meio-campo. Sendo os jogadores do miolo os faróis de uma equipa, o Vitória soube aí colocar 3, 4 ou mesmo 5 jogadores (contra os nossos 2) que bloquearam a nossa acção e fecharam os caminhos para que a bola encontrasse os 3 avançados situados entre-linhas. Com os alas igualmente controlados, restaria ao Sporting colocar a bola na frente directamente através dos centrais ou criar dinâmicas em que os alas jogariam mais por dentro, mas Esgaio não logrou fixar o adversário directo e ligar uma única vez com Geny, Inácio, apesar do golo, deve ter feito o pior jogo que lhe vi de verde e branco e os alas nunca passaram de... alas. Restou então Diomande, claramente a nossa melhor unidade do sector defensivo, mas mesmo a sua boa saída de bola nunca encontrou quem lhe desse seguimento, com Pote a perder inúmeros lances por má recepção ou pouca simplicidade de processos. Com Edwards também a nunca conseguir dar continuidade às poucas bolas que recebeu em posição frontal, Gyokeres ficou sozinho e à mercê de 2 dos 3 centrais do Vitória que o vigiavam de perto, superando muitas vezes o primeiro e sucumbindo ao segundo. (Por artes do Pinheiro, Borevkovic conseguiu chegar ao fim do jogo sem um cartão amarelo, apesar das inúmeras faltas sobre o sueco.)

 

Com a deriva de Diomande para central pela direita, Geny pôde finalmente ser servido a preceito. Porém, a sua inspiração foi pouca ou nenhuma, não conseguindo os desequilíbrios de que a equipa precisava. Para piorar, Amorim fez a equipa implodir com as substituições: Paulinho e Trincão não trouxeram nada de novo, pouco ou nada aparecendo, e o recuo de Pote e concomitante saída de Hjulmand partiu a equipa em dois. Porque Pote começou a pedir a bola junto à banda esquerda, afastando-se do centro do jogo e ficando em zona onde não poderia reagir eficazmente à perda de bola, mas também na medida em que a Inácio lhe parou o cérebro, curto-circuito bem visível no segundo golo vimaranense, quando, com tempo, incompreensivelmente  não fechou o espaço para o jogador do Vitória que recebeu isolado (defesa de Adán) antes da recarga. Estaria ainda ligado ao terceiro golo do Guimarães, reagindo tarde à tabelinha entre dois vitorianos, em lance onde Adán não fechou o lado do poste e não ficou igualmente nada isento de culpa. Pelo meio o Sporting ainda marcou, com Nuno Santos a aproveitar um passe de Pote após a melhor jogada colectiva do Sporting durante o jogo. [Amorim também fez um truque à David Copperfield, o de fazer desaparecer o meio-campo, lançando para o efeito um jogador invisível (Trincão) e recuando Pote.]

 

Com a derrota de hoje, o Sporting não só não logrou aproveitar o deslize do Benfica de ontem como se viu apanhado pelo FC Porto no topo da classificação. Segue-se a recepção aos portistas, um jogo em que se espera que os nossos médios não venham a ser encandeados pelos faróis de máximos nortenhos e que Rúben não volte a falhar nas substituições. E a melhor maneira de não falhar será não ter de as fazer, o que geralmente ocorre quando se acerta na equipa que vai a jogo.

 

Tenor "Tudo ao molho...": Diomande

amorim guimarães.jpg

16 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Facebook

Apoesiadodrible

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub