Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Poesia do Drible

"Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco mais de azul - eu era além. Para atingir, faltou-me um golpe d'asa... Se ao menos eu permanecesse aquém..." - excerto de "Quasi", de Mário de Sá Carneiro

"Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco mais de azul - eu era além. Para atingir, faltou-me um golpe d'asa... Se ao menos eu permanecesse aquém..." - excerto de "Quasi", de Mário de Sá Carneiro

A Poesia do Drible

18
Jun24

Tudo ao molho e fé em Deus

A Teoria do Caos


Pedro Azevedo

Caro Leitor, este Roberto Martinez é definitivamente um personagem dos desenhos animados: umas vezes Bob, o Construtor, a desfazer e refazer do zero o que parecia já edificado e sólido, outras o Professor Pardal, a inventar tácticas mirabolantes. Foi este último que aliás se apresentou contra a Chéquia, mas por sorte houve um Lampadinha (Conceição) a salvar-lhe a face. 

 

Portugal apresentou-se ontem em campo com um sistema táctico e concomitantes dinâmicas baseadas na Teoria do Caos. Esta trata de sistemas altamente complexos, difíceis de entender por um homem médio que não o Professor Pardal, cuja dinâmica acaba por suscitar uma instabilidade que se denomina como "sensibilidade às condições iniciais", que os torna não previsíveis ao longo do tempo. Assim, ao alterar permanentemente o Onze titular, o inventor vai introduzindo o caos determinístico, tornando impossível prever o que se passará a seguir. As correcções que de seguida efectiva no modelo não permitem regressar às condições iniciais, até porque já houve ocorrências intermédias que não podem ser apagadas, pelo que a dado momento o sistema afigura-se aleatório à vista desarmada, dada a sua profunda instabilidade. É o "Efeito Borboleta" e as suas consequências, como explica Lorenz, que em termos de Selecção podem resumir-se ao bater de asas da Selecção na Alemanha virem a influenciar uma revolução no corpo técnico da Federação em Lisboa. Tão certo como a morte e os impostos, se as coisas não mudarem.

 

Contra uma Chéquia toda recuada no terreno, Portugal actuou 90 minutos com 3 centrais que, à falta de cartas para jogarem uma bisca lambida, se entretiveram a marcarem-se uns aos outros. Depois, faltou um cabeça de área (Palhinha) que estivesse na zona onde os checos desferiram o remate que os adiantou no marcador e que conduzisse a primeira vaga de construção para libertar os restantes médios para funções mais ofensivas. Com 2 médios a jogar na mesma linha e separados dos avançados pelo muro que os checos construíram, em vez de 3 em 3 linhas diferentes como seria lógico e recomendável, Portugal não conseguiu produzir evidentemente qualquer jogo interior entre-linhas (a não ser aquele que só o senhor Martinez reconheceu ter visto, em entrevista após o jogo), limitando-se a circular a bola por fora do bloco checo. Com isso, Martinez foi o melhor amigo da Chéquia, reduzindo à banalidade um jogador como Bruno Fernandes, com enorme potencial de golos e assistências. Não só faltou Palhinha como também um médio rompedor (João Neves ou Matheus Nunes), que Bruno e Vitinha parecem pouco compatíveis e o treinador deverá decidir por um só. Estando os 2 médios atados atrás e conseguindo Martinez a proeza de manter os 3 centrais até ao fim, nunca lançando um terceiro médio (Cancelo andou por lá, qual peixe fora de água), as movimentações dos nossos avançados foram facilmente anuladas pela superioridade numérica da Chéquia nessa zona. Acresce que Bernardo desgastou-se em funções redundantes e fez um jogo muito fraco e Leão mostrou uma péssima definição dos lances, não se entendendo o motivo pelo qual o primeiro não foi substituído (por Chico Conceição) e o mistério da razão que continua a afastar Jota da titularidade. No meio de tanta asneira (Nuno Mendes chegou a jogar como central, antes da entrada de Inácio) e desorganização táctica (que Martinez orgulhosamente define como "flexibilidade"), valeram-nos dois erros crassos defensivos da Chéquia que nos deram a vitória e evitaram um escandaloso checo-mate, o último dos quais já bem perto do gongo e a envolver ainda Chico Conceição e Pedro Neto, 2 jogadores que haviam entrado ao minuto 90. Pelo que não faltará quem elogiará o génio de um seleccionador capaz de prever que 4 minutinhos seriam uma enormidade de tempo para sacar dois coelhos da cartola. Assim sendo, é de prever que Roberto Martinez continue a fazer magia e que a grande ilusão termine com o título europeu. Se já aconteceu com Fernando Santos, por que não com este discípulo de Jorge Silas e do "Tudo ao molho e fé em Deus" a.k.a "flexibilidade táctica"? Em todo o caso, receio que ainda venhamos a lamentar não termos convocado o Ritalina para resolver o problema da hiperactividade do nosso seleccionador. 

 

E agora, alguém se atreve a tentar adivinhar o Onze contra a Turquia? É mais fácil acertar no Euromilhões...

 

Tenor "Tudo ao molho...": Chico Conceição (decidiu o jogo)

chico.jpg

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Facebook

Apoesiadodrible

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub