Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Poesia do Drible

"Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco mais de azul - eu era além. Para atingir, faltou-me um golpe d'asa... Se ao menos eu permanecesse aquém..." - excerto de "Quasi", de Mário de Sá Carneiro

"Um pouco mais de sol - eu era brasa, Um pouco mais de azul - eu era além. Para atingir, faltou-me um golpe d'asa... Se ao menos eu permanecesse aquém..." - excerto de "Quasi", de Mário de Sá Carneiro

A Poesia do Drible

20
Nov23

Tudo ao molho e fé em Deus

A desconfiar se vai ao longe


Pedro Azevedo

O português é um ser desconfiado por natureza. Duvida um pouco de si próprio e muito dos seus compatriotas. E desconfia de bons arranques, temendo que isso despolete futuramente a ira de Deus (para os monoteístas), dos deuses (para os politeístas) ou da Autoridade Tributária (para os ateus e os agnósticos, estes mais flexíveis, que é coisa que a AT não gosta). Por isso, quando lhe perguntam como se sente, a resposta é quase sempre um "mais ou menos", não vá o "mais" apanhar São Pedro em horas extraordinárias antes do tempo previsto para a abertura das portas do Céu a cada um (ou provoque uma convocatória para a repartição de Finanças mais próxima). No futebol, essa desconfiança portuguesa traduz-se no uso compulsivo da máquina de calcular. Creio até que a máquina de calcular foi inventada por um senhor (Pascal) tão à frente do seu tempo que no Século XVII previu as dificuldades que Portugal teria nas fases de qualificação dos grandes torneios internacionais e pressentiu que o frágil ábaco nas mãos dos portugueses não iria resistir aos múltiplos cálculos diferenciais (de golos). Resolveu assim o (nosso) vácuo e deu-nos um instrumento para lidarmos com a pressão (não é à toa que esta se mede em Pascal, que por acaso até rima com Portugal).

 

Ora, na antecâmara deste jogo já sabíamos que estávamos qualificados para o Europeu. Se isto não é para desconfiar... Mais, se ganhássemos à Islândia terminaríamos com 100% de vitórias, sucesso só comparável na história de Portugal aos Descobrimentos. A ver pelo que foi a descolonização, a menção aos Descobrimentos aqui foi tudo menos inocente, pelo que está visto que será entre rezas, mas também figas, alhos, macumbas e outros rituais do género, que tentaremos enfrentar o que aí virá. É que ainda me lembro de uma outra fase de qualificação muito boa, em que eliminámos irlandeses e holandeses, que terminou em tragédia na Coreia. Lá está, eu sou português. E desconfio.  

 

Depois deste intrólito que apenas serviu o propósito de encher a crónica a toda a sela, retomemos então o que era a actualidade, que consistia na recepção de Portugal à Islândia, tendo como palco o nosso José Alvalade. Estive para ir ao estádio. Um amigo meu, que tinha os bilhetes, convidou-me. Mas, por fim, acabou retido num "monte" em Évora que por acaso fica num vale e a ideia de ida ao estádio resultou em semelhante antítese. Conformei-me assim em ver pela televisão. A primeira coisa que me chamou a atenção foi o nome dos islandeses: os 11 acabavam em "son". Consultada uma homóloga da Drª Edite Estrela que mora no Google, concluí que os apelidos islandeses correspondem ao nome próprio do pai acrescido de "son" (filho de). Por exemplo, o Cristiano Ronaldo, se fosse islandês, chamar-se-ia Dinisson. (Apercebendo-se disto, há esperança de que os nossos árbitros emigrem e se naturalizem islandeses para evitar que a mãe seja tão mencionada nas bancadas.)

 

A táctica islandesa consistia em ter 11 Retrancasons atrás da bola. Portugal respondeu com 4(+1) Joões, coisa que não seria inesperada para o Mané Garrincha que dá o rosto por este blogue. Cumpriam-se 10 anos desde o célebre hat-trick de Cristiano Ronaldo a outros nórdicos (Suécia) numa qualificação para um Mundial (Brasil) de má memória (lá está...) e cedo o GOAT procurou comemorar a efeméride com um golo. Só que não era o dia, nesta altura do ano na Islândia é quase sempre noite, e a coisa ficou adiada para a janela de Março ou mesmo para o Europeu. Pelo que viria a ser Bruno Fernandes, o melhor português nesta fase de qualificação, a abrir as portas da vitória com um remate forte e colocado, após um toque abrasileirado de Bernardo Silva. Bruno e Bernardo que fazem uma dupla BB como a gasosa, ou não sejam eles quem dá gás a esta Selecção do meio campo para a frente. Atrás, o Palhinha espraiava os tentáculos por todo o lado e o Otávio deliciava a jogar de primeira a toda a extensão do relvado. O Cancelo, que desta vez começou na esquerda, vinha para o meio como um interior, reforçando a nossa superioridade no meio-campo. Pelo que a primeira parte viria a ser de sentido único, apenas não fazendo qualquer sentido a escassa vantagem que se registava ao intervalo.

 

Os islandeses surgiram mais afoitos na etapa complementar. Mas o Inácio não lhes deu qualquer hipótese. De forma que Portugal continuou a ser mais perigoso e marcou. Foi o recém-entrado Horta o autor da proeza, recargando uma recarga de Ronaldo, em lance em que as carambolas começaram em Félix. Até ao fim, pouco houve a registar. O Guerreiro, que entrou para fazer o mesmo papel do Cancelo, ainda teve um momento à João Pinto (Porto), evitando conceder um pontapé de canto ao cabecear contra o travessão da sua baliza, mas o jogo terminou quase ali.

 

E não é que chegámos ao fim da fase de qualificação com 10 em 10? Dá para desconfiar, não é? Estou certo porém que arranjaremos qualquer coisa para reforçar o providencial pessimismo que nos guindou a campeões da Europa. Já não temos Fernando Santos e com ele aquela alegria dos cemitérios que seria sempre uma garantia nesse sentido - os polacos, muito mais confiantes que nós, talvez por isso permanentemente invadidos por alemães e russos, nunca o conseguiram entender -, pelo que temos de nos concentrar no menos bom registo de Roberto Martinez pela Bélgica nas fases finais das grandes competições. De forma a chegarmos à Alemanha como "outsiders". Depois, de empate a empate, prolongamentos e penáltis, criaremos a desconfiança nos outros (que não estão habituados e não sabem lidar com a desconfiança), nesse transe trazendo o caneco para Portugal.  Dá para acreditar?

 

Tenor "Tudo ao molho...": João Palhinha

joao palhinha portugal.jpg

14
Nov23

Olhar para a árvore e esquecer a floresta


Pedro Azevedo

O futebol tem uma lei que determina que se o árbitro interferir numa jogada deve o jogo ser retomado com uma bola ao ar, que na prática é apenas disputada pela equipa que previamente a detinha. Todavia, se houver interferência nefasta do apito no resultado final de um jogo, nem o árbitro "vai ao ar" (suspenso), a bola regressa ao jogo ou há algo que compense o clube prejudicado. Conclusão: é o que se chama olhar para a árvore e esquecer a floresta, compensando o erro micro e fazendo vista grossa ao macro. Faz-me lembrar aquela história do contrabandista que diariamente passava a fronteira montado numa bicicleta e com um fardo de palha ao colo: todos os dias a Guarda-fiscal inspeccionava o fardo de palha à procura da candonga e o advertia para os perigos de condução com perda de visibilidade, mas o que o homem contrabandeava era bicicletas.

25
Jul23

Preparação a bem da Nação


Pedro Azevedo

A preparar a nova época desde Fevereiro de 1906, data curiosamente anterior à da sua própria fundação, o Sporting parte muito à frente dos demais. Nesse sentido, tudo está a decorrer como o planeado, destacando-se mais uma lesão programada do St Juste. E novidades? Depois do Gyokeres veio o Carmona. Este regressou à origem e agora aguarda-se com expectativa pelo Craveiro Lopes. Antes que caia o Carmo (e a Trindade) ainda haverá tempo para assinar por três anos com o Américo Thomaz se o seu agente (da PIDE) o permitir, uma alternativa ultra-conservadora para a ala direita, que o estado é novo e, agora na versão 2.0, altamente recomenda-se. Entretanto, qualificámo-nos pelo quinto ano consecutivo para a Liga dos Campeões das vendas de Gameboxes. Infelizmente, fontes bem informadas apontam para que tal competição volte a ocorrer à porta (meio) fechada, o que talvez explique a razão de, recorde após recorde, o valor da bilhética não descolar. (É impressionante o que uma simples consulta do R&C nos pode transmitir, mérito do Dr Varandas, que nos mandou escarafunchar no dito Relatório.)

 

Pois é, o Campeonato está já aí ao virar da esquina. E há um puto da Formação a fazer crescer água na boca (Afonso Moreira). Nada porém que nos deva desenfocar dos 3 principais objectivos da época, a saber: Taça da Europa do arremesso do azulejo, Liga Mundial de pistola de tinta de ar comprimido e, quiçá, Fosso Olímpico. Força, Sporting!!!

 

P.S. Quem não tem Di Maria, caça com Di Cardoso. Se não der para mais (caça grossa), ainda temos a Caça Submarina, uma tradição leonina desde os saudosos tempos do eclético Bessone Basto. Pode ser que assim pesquemos uma "truta"...

Mais sobre mim

Facebook

Apoesiadodrible

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub